O FALACIOSO PROTESTANTISMO

 

catedral_luterana4

Imagem na Catedral Luterana

“Quanto a mim, não acreditaria no Evangelho se não me movesse a isso a autoridade da Igreja católica”. Santo Agostinho

 

O protestantismo vive num círculo vicioso. Vejamos, se hoje os Pais da Reforma ressuscitassem milagrosamente cairiam para trás ao ver a situação das igrejas por eles criadas e, muito provavelmente, seriam chamados de idólatras e pagãos por seus irmãos e filhos. Na verdade não precisamos ir tão longe na imaginação; comparem uma igreja metodista, anglicana, calvinista, luterana dos EUA, da Europa e do Brasil! Os metodistas ingleses e americanos usam imagens – ou ao menos usá-las não é motivo de discussão -, fazem igrejas em estilos góticos, gostam de cantos sacros e apreciam a piedosa devoção. Anglicanos invocam os santos, usam turibulo, seus líderes se paramentam como os Sacerdotes e Bispos católicos, constroem igrejas extremamente belas, usam velas, incensos etc. Já a Catedral Calvinista de Genebra honra a São Pedro, era lá onde Calvino pregava, fica ao lado do Museu da Reforma, quase um Vaticano protestante.

 

 

Os luteranos do hemisfério norte também seguem diversas tradições católicas que eram respeitadas até mesmo pelos reformadores, se assemelham aos anglicanos quanto a isso. Eu apenas abordei pontos externos, se fosse fazer uma análise teológica as diferenças entre as denominações seriam gritantes. Os Pais da Reforma eram homens, em sua maioria, doutos e cultos, tinham acesso a obras de grande peso na cristandade, dominavam línguas, tinham uma cultura destacada; Lutero era um teólogo com relevo no cenário alemão, Calvino tinha uma formação clássica, Wesley, que apareceu séculos mais tarde, se educou na prestigiosa Universidade de Oxford. A questão que aparece é a seguinte, se esses homens estavam errados na sua hermenêutica bíblica, na compreensão do tal cristianismo primitivo, por que raios um pastor qualquer em pleno mundo moderno se colocaria como o descobridor da verdade cristã? Qual a autoridade que ele usa? Os Pais da Reforma se diziam inspirados pelo Espírito Santo, iluminados por Deus, o mesmo Espírito Santo e o mesmo Deus que “inspira” e “ilumina” os homens que hoje fazem interpretações e chegam a conclusões diferentes das obtidas pelos Luteros e Calvinos da vida – conclusões essas que na época da reforma já não eram nada parecidas!  E, muito provavelmente, esses mesmos pastores serão refutados no futuro por outros irmãos seus que enxergaram diferentes verdades na Sagrada Escritura. O mais irônico de tudo isso é que uma das bases fundamentais usadas por eles para endossar essas novas compreensões a respeito do cristianismo e da Bíblia são conhecimentos científicos, ou seja, um respaldo extra-bíblico que influencia no estudo e na hermenêutica dos textos da Sagrada Escritura. Onde foi parar a Sola Scriptura?

 

 

 

 

Interior de uma catedral Anglicana

Interior de uma catedral Anglicana

Os protestantes consideram a Bíblia auto-sustentável, ou seja, a chave da correta hermenêutica se encontra na própria Escritura. Pois bem, isso deveria confirmar que a hermenêutica bíblica, seja lá de qual tempo, é contínua e inerrante, já que interpreta um Livro eterno e também inerrante, mas não é isso que enxergamos dentro do protestantismo. Existe uma diversidade de análises, uma grande confusão na exegese, na forma de compreender a formação do texto, uma miscelânea de doutrinas oriundas de interpretações bem distintas. Se a Bíblia é auto-sustentável as descobertas históricas e arqueológicas, usadas pelos protestantes atuais como base para um novo olhar – como a defesa do tal cristianismo primitivo -, não se mantém, afinal a ortodoxa hermenêutica independe de fatores externos, se encontra na própria Escritura (Sola Scriptura). Com isso pouco importa se os Pais da Reforma viviam no séc. XVI e hoje vivemos no séc. XXI. Se a Bíblia é de inspiração divina, um Livro Sobrenatural, sua mensagem é para sempre, sua correta interpretação é a mesma ao longo dos séculos, afinal o que muda não é eterno, e o que não é eterno não é divino. Ou seja, um livro escrito por Deus só pode ser compreendido com a assistência de Deus, a ciência humana não seria capaz de entender a riqueza contida nas suas linhas. Ora, sem essa inspiração interpretar a Bíblia é quase como um jogo de sorte. Aí entra um ponto crucial; como conciliar, dentro do protestantismo, diversas interpretações de um único texto? Se a Escritura é divina ela não erra nem se contradiz – ou se descansa no sábado ou no domingo, ou se batiza crianças ou não, ou se usa imagens ou as considera idolatria, ou acredita nos santos ou acha que são deuses pagãos etc etc etc. Não pode haver uma diversidade hermenêutica para uma mesma frase contida no texto bíblico!

 Percebam que no protestantismo não há uma continuidade na vivência da mensagem cristã interpretada pelos seus pastores, bispos, reverendos, missionários, apostólos e “bispas”, a todo o momento há ruptura e o surgimento de novas óticas, óticas essas que, como já foi dito, lançam mão de conteúdos extra-bíblicos, colocando de lado um dos pontos essenciais da Reforma Protestante; Somente a Escritura.

 

Talvez a saída mais natural do protestantismo tenha sido o desenvolvimento de doutrinas liberais, que depois deram

Vitrais com imagens em Catedral Calvinista

Vitrais com imagens em Catedral Calvinista

 origem ao modernismo. Considerar a Escritura um livro Sobrenatural pede, da mesma forma, uma interpretação sobrenatural, ou seja, uma interpretação inspirada. Como haver inspiração quando pululam o número de hermenêuticas tão diferentes e contraditórias? Esse foi o motivo que ajudou, entre alguns outros, na consolidação da corrente liberal dentro do pensamento reformado; se baseiam num arcabouço histórico, arqueológico, literário e filológico para compreender o texto bíblico, execrando tudo que seja contrário ao entendimento da razão humana. De uma maneira ou de outra esse método cria uma hermenêutica mais homogênea, já que acaba com a argumentação de inspiração divina; a medida é a ciência, se passou dela não serve. Entretanto dois problemas surgem; a destruição da origem Divina do texto – ele fica preso aos conhecimentos humanos – e a oposição a Sola Scriptura – na verdade não é lá da preocupação desses protestantes a fidelidade a nada. Ademais, a ciência nessa caso ocupa o espaço que todas as igrejas de origem apostólica dão ao que se chama Tradição, de origem divina e em plena sintonia com a Revelação contida na Escritura.

 

Um dos fundamentos básicos, quiçá o maior, que distancia o protestantismo da verdadeira religião é a não-aceitação da Sagrada Tradição. Os “reformados” acreditam que a Sagrada Escritura é a única regra da fé, não sendo necessária nenhum outra para viver de forma plena os ensinamentos cristãos, conhecer todo o legado deixado por Nosso Senhor Jesus Cristo. Antes de algum Evangelista pensar em escrever, sob a inspiração do Espírito Santo, os Apóstolos já pregavam e difundiam a Boa Nova. Foram necessárias décadas, depois do Pentecostes, para se iniciar a redação dos livros do Novo Testamento! Como havia comunidades cristãs num período onde não havia a Bíblia? Simples, por meio da pregação oral que trazia consigo a Tradição cristã. Como disse David Goldstein, judeu convertido ao catolicismo “S. Pedro converteu 3000 judeus; o Concílio de Jerusalém foi reunido e a lei judaica foi ab-rogada, antes que uma única linha do Novo Testamento fosse escrita. Antes que S. João escrevesse seu Evangelho, a Igreja católica celebrou seu jubileu de ouro; e S. Paulo poderia dizer que a fé de Cristo tinha sido proclamada por toda parte no mundo”

 

Imagem em Catedral Metodista

Imagem em Catedral Metodista

A primeira referência ao cânon bíblico, como o temos hoje, foi em 367 d.C, numa epístola de Santo Atanásio de Alexandria; santo que escreveu o credo que leva seu nome – credo atanasiano – reconhecido até mesmo por Lutero como grande autoridade doutrinal e incluído pela Igreja Anglicana no ‘Livro de Oração Comum’. Até o séc. IV não havia a mínima concordância de quais seriam os Livros inspirados. Os verdadeiros Evangelhos dividiam espaço com textos gnósticos e heréticos. Além disso raras eram as comunidades que tinham acesso a esses documentos. Todos se confirmavam na fé por meio da adesão oral, conheciam a doutrina cristã através dos ensinamentos proferidos pelos Apóstolos e seus sucessores. Quais os livros eram legitimamente cristãos? Dependiam de onde estivessem. As localidades divergiam na definição das escrituras, algumas acreditavam em livros que depois foram vistos como apócrifos, outras sequer tinham textos dos livros hoje considerados canônicos. Quem duvidaria da apostolicidade e inspiração divina do Pastor de Hermas, Epístola de Barnabé e da Didaché? A leitura desses livros, e de vários outros não-canônicos, era muito comum nas assembléias e nas pregações.

 

 

 Ora, como então se definiu, se atestou, quais livros eram, de fato, inspirados? Foi uma autoridade externa e extra-bíblica. A lista definitiva dos livros canônicos apareceu no Concílio de Roma (382) e, posteriormente, confirmada nos Concílios de Hipona (393) e Cartago (397). A Sagrada Escritura não veio com um índice, nem o surgimento do seu cânon foi um ato de milagre divino. Os Padres conciliares apenas lançaram mão da Tradição apostólica, aquela que já confirmava os cristãos na fé, a usando como a medida para que assim pudessem endossar a inspiração dos escritos, ao mesmo tempo em que rechaçavam aqueles livros que contradiziam os ensinamentos orais. O próprio Lutero confirmou: “Somos obrigados a reconhecer muitas coisas aos católicos – (como por exemplo), que eles possuem a Palavra de Deus, que nós recebemos deles; de outro modo, não saberíamos nada sobre ela.” [1] Nosso Senhor nos ensinou “Ide, e pregai o Evangelho a toda criatura” (cf. Mt 28,19-20) e não “Ide e difundi as Escrituras”.

 

Fachada com imagens em Catedral Presbiteriana

Fachada de Catedral Presbiteriana

Prof. Alessandro Lima, no seu livro Cânon Bíblico, falou que a “atribuição de autoridade divina a um livro, isto é, a definição de sua canonicidade sempre dependeu da autoridade  de algo que é exterior ao livro: a Tradição que lhe deu origem (e que portanto lhe é anterior) e o Magistério legitimamente estabelecido por Deus, reconhecido como seu legítimo guardião e difusor.” [2] De fato, o que os protestantes esquecem é que a Sagrada Escritura não fez o cristianismo, foi a Igreja, inspirada pelo Espírito Santo, que criou a Sagrada Escritura. Assim como os israelitas escreviam os textos sagrados quando já viviam a fé monoteísta, os cristãos escreveram os Evangelhos quando já eram crentes. Corinto e Tessalônica já eram cristãs quando São Paulo escreveu suas cartas, Teófilo já professava a fé em Nosso Senhor quando São Lucas o endereçou o Evangelho. A equação feita pelos protestantes é contrária; não foi a Bíblia que criou o cristianismo – afinal quando ainda não havia Escritura já havia fé cristã – mas foi o cristianismo, iluminado com as bençãos do Senhor, que escreveu a Bíblia. A Bíblia não caiu do céu; os livros do Novo Testamento foram escolhidos num Concílio da Igreja Católica, poder magisterial, composto por Padres que acreditavam na Tradição. Os protestantes aceitam esse cânon do Novo Testamento e seguem o cânon do Antigo Testamento definido por um sínodo de fariseus depois da morte de Cristo.

 

  Existem dois grandes intervalos nos primórdios do cristianismo que devem ser levados em conta:

 

1 – Da ascensão de Cristo aos Céus até o fim da redação da Escritura

 

2 – Do fim da redação da Escritura até a estruturação do cânon bíblico

 

catedral_anglicana4

Imagem em Catedral Anglicana

 

No primeiro momento transcorreram 65 anos para que o último livro da Bíblia fosse acabado em meados do ano 100 d.C. Cristo morreu e ressuscitou por volta do ano 30, já os livros do Novo Testamento foram escritos bem depois; o Evangelho de São Marcos no ano 64; o Evangelho de São Lucas e de São Mateus entre os anos 65 e 80; as cartas de São Paulo entre os anos 51 e 67; o Apocalipse entre os anos 70 e 95. Como os cristãos teriam se mantido até lá? Ademais, mesmo que houvesse Evangelho seria humanante impossível, dentro da realidade tecnológica da época, fazer com que todas as comunidades cristãs – que já existiam mesmo sem Bíblia – tivessem acesso aos textos. O que manteve a fé desse povo senão a Tradição oral?

 

A outra lacuna ainda é maior. Se trata de uma período de séculos onde textos inspirados dividiam espaço com outros que eram produtos da gnose e da heresia. Até mesmo pensadores do quilate de Santo Atanásio (297-373), São Jerônimo (342-420) e Santo Agostinho (354-430) se fiavam em listas de canonicidade que partiam das crenças especificas de suas localidades – claro que até a definição magisterial. Ou seja, houve uma confusão instaurada na Igreja primordial a respeito da inspiração dos textos. Se a Sagrada Escritura se mantém por si mesma por que a disputa, por que a definição do cânon não ocorreu logo no início, desde que o último texto inspirado foi escrito? Simples, a Sagrada Escritura não era auto-autenticável! Não havia nada nela que sancionasse quais os livros que eram inspirados ou não. Nem mesmo havia assinatura nos Evangelhos. Por exemplo, como saber que foi São Mateus quem escreveu o seu Evangelho? Para nós católicos a Tradição sempre nos informou dessa verdade, por isso sempre acreditamos. Protestantes não só rejeitam a Tradição como acreditam na Sola Scriptura. Ora, apenas a Tradição ou o estudo bíblico-histórico poderiam afirmar que Mateus foi o redator do Evangelho que leva seu nome. As duas formas tratam de conclusões extra-bíblicas e, logicamente, se opõe a doutrina da Sola Scriptura.

O fato é que, na ausência da Tradição e do Magistério, simplesmente não há limites para a imaginação no que concerne à interpretação da Bíblia. Se não existe nenhuma autoridade, para além do indivíduo, que estabeleça qual o verdadeiro sentido e qual a verdadeira interpretação da Escritura Sagrada, então é instaurado o “vale tudo”. Em outras palavras, a teologia liberal (da qual o maior expoente foi o alemão Rudolf Bultmann) é uma conseqüência natural do Sola Scriptura. A pessoa, diante do texto bíblico, na prática se sente à vontade para seguir a interpretação que mais lhe aprouver. E quando perguntamos, por exemplo, a um calvinista “por que é assim e não assado, como ensinam os luteranos?”, ficamos sem resposta… Mas nós podemos dizer, como S. Agostinho diria: “É assim porque a Igreja Católica, com a autoridade que recebeu de Seu Fundador, Nosso Senhor Jesus Cristo, nos ensina que é assim!”. Não é a minha interpretação, nem a de fulano, nem a de beltrano que importa. É a interpretação da Igreja!

Como foi dito no começo do texto, a Sola Scriptura descamba para a teologia liberal, afinal a diversidade de interpretações

Imagem em catedral presbiteriana

Imagem em catedral presbiteriana

 e compreensões do texto bíblico é incompatível com o caráter inerrante e eterno da própria Escritura. Ora, o relevo que hoje os protestantes dão a ciência é o resultado da incapacidade de estipular uma hermenêutica comum. E por que? Simplesmente a Sagrada Escritura não se sustenta sozinha, a Tradição é essencial para o conhecimento pleno da revelação cristã e para a compreensão dos verdadeiros e perenes ensinos contidos no texto sagrado. O Magistério, por sua vez, tem a incumbência de, sustentado na Sagrada Escritura e na Sagrada Tradição, indicar a única e infalível interpretação da Bíblia. Sem a Tradição a Escritura fica confusa e sem o Magistério seu entendimento é impossível. O protestantismo acreditou na Sola Scriptura como forma de renegar a Tradição, colocaram no lugar desses valiosos e preciosos ensinamentos de Cristo o entendimento humano, com isso carrega em seu âmago um princípio genuinamente subjetivo e individual, desde já fadado ao erro e a confusão. A teologia liberal, se sustentando na ciência e renegando a sobrenaturalidade da Bíblia, apenas surge por ser fruto da Sola Scriptura! Com isso concluímos que o protestantismo, desde as suas origens, fincou as bases do relativismo hermenêutico, relativismo esse que é incompatível com um Livro de caráter Divino e, conseqüentemente, eterno e imutável; o triunfo da interpretação individual, no pensamento reformado, se opõe drasticamente a perenidade da mensagem cristã. O que cremos hoje é o que foi crido ontem e é o que será crido amanhã! No protestantismo o que é crido hoje é diferente do que foi crido ontem e é diferente do que será crido amanhã – além, é claro, das diversas formas de se entender o que crê e no que se crê.

 [1] 21. Commentary on John, cap. 16, como citado em Paul Stenhouse, Catholic Ansewrs to “Bible” Christians (Kensington: Chevalier Press, 1993), p. 31.

[2] LIMA, Alessandro. O Cânon Bíblico – A Origem da Lista dos Livros Sagrados. São José dos Campos-SP: Editora COMDEUS, 2007, p. 17

 

catedral_anglicana2

Interior de Catedral Anglicana

   

Qual é o verdadeiro protestantismo vindo da verdadeira hermenêutica bíblica? O protestantismo que usa imagens ou o que as considera idolatria? O protestantismo que venera os santos ou o que acha que são deuses pagãos? O protestantismo que celebra a Ceia – mesmo que simbólica – ou o que acredita que não passa de invenção romana? O protestantismo que valoriza algumas tradições ou aquele que diz vivenciar o tal cristianismo primitivo? São muitos protestantismos originados de um mesmo Livro, um Livro eterno e inerrante que não pode ser interpretado, em hipótese alguma, de diversas maneiras. A Verdade é única, se é contraditória não é Verdade, e se não é Verdade não é Deus!

Todos os artigos disponíveis neste sítio são de livre cópia e difusão deste que sempre sejam citados a fonte e o(s) autor(es).

Para citar este artigo:

RAVAZZANO, Pedro. Apostolado Veritatis Splendor: O FALACIOSO PROTESTANTISMO. Disponível em http://www.veritatis.com.br/article/5616. Desde 13/02/2009.

Anúncios

27 Respostas

  1. hum … mas os crentes não ficam de joelho na frente desses bonecos…

  2. A arca da aliança tinha dois anjos esculpidos na tampa e os sacerdotes se prostravam por terra na frente nela, nem por isso cometeram idolatria, amigo. O templo era completamente ornamentado por imagens de animais e anjos, todos se prostravam por terra na frente do tempo e nem por isso pecaram por idolatria. Ajoelhar-se não é idolatria. Idolatria é dar ao que não é Deus um atributo divino, o que não é o caso. Não me ajoelho e nem vejo necessidade de tal prática diante de uma imagem, mas quem o faz, sabendo que aquilo não é nada além de uma simples imagem, não tem o que temer.

    • E rezar para a tal da “nossa senhora” (na verdade tua senhora, minha não!), não é dar ao que não é Deus um atributo divino? Porque que eu saiba nós devemos apenas orar ao Pai em nome de Jesus para que Ele nos ouça nossas preces, para mim rezar para uma imagem feia e morta é idolatria!

  3. A Biblia responde; Isaias 44:

    10 Quem forma um deus, e funde uma imagem de escultura, que é de nenhum préstimo?
    11 Eis que todos os seus companheiros ficarão confundidos, pois os mesmos artífices não passam de homens; ajuntem-se todos, e levantem-se; assombrar-se-ão, e serão juntamente confundidos.
    13 O carpinteiro estende a régua, desenha-o com uma linha, aplaina-o com a plaina, e traça-o com o compasso; e o faz à semelhança de um homem, segundo a forma de um homem, para ficar em casa.
    16 Metade dele queima no fogo, com a outra metade prepara a carne para comer, assa-a e farta-se dela; também se aquenta, e diz: Ora já me aquentei, já vi o fogo.
    17 Então do resto faz um deus, uma imagem de escultura; ajoelha-se diante dela, e se inclina, e roga-lhe, e diz: Livra-me, porquanto tu és o meu deus.
    18 Nada sabem, nem entendem; porque tapou os olhos para que não vejam, e os seus corações para que não entendam.
    19 E nenhum deles cai em si, e já não têm conhecimento nem entendimento para dizer: Metade queimei no fogo, e cozi pão sobre as suas brasas, assei sobre elas carne, e a comi; e faria eu do resto uma abominação? Ajoelhar-me-ei ao que saiu de uma árvore?
    20 Apascenta-se de cinza; o seu coração enganado o desviou, de maneira que já não pode livrar a sua alma, nem dizer: Porventura não há uma mentira na minha mão direita?

    Toda a Biblia de Genises a Apocalipse, o único objetivo é a salvação de almas, todo o plano de Deus se cumpriu e está se cimprindo, e agora estamos na era Cristã e Jesus e devemos agradar a Deus atraves de Jesus ou estaremos anulando o seu sacrificio.
    Veja.

    “Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo.” (I Pedro 2 : 5)

    “De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça?” (Hebreus 10

    E por quem é, que se faz filhas nas igrejas para tomar a consagração?

    “Porventura o cálice de bênção, que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo?” (I Coríntios 10:16

    Já é hora de abrirmos nossos olhos, pois JESUS ESTÁ VOLTANDO.

  4. Cinceramente, as vezes quando vejo, estas discuções sobre quem está certo ou errado, me dá ansia. Quando o acesso as escrituras era limitado os que tinham conhecimento a usavam para dominação e manipulação dos outros. Agora que todos têm acesso a elas tornou-se um amontoado de dogmas vãos. Bom, prefiro crer que a soberania de Deus será glorificada tanto nisto quanto naquilo. Que Ele, o Cristo, seja o fundamento da nossa fé.

    Até…

  5. Meu amigo Lumem,
    Ainda que as pessoas se ajoelham diante de suas imagens,crendo ou sabendo que elas não são nada além de simples imagens, como você explica a fé,orações,intercessão,louvores,culto e adoração às imagens e a quem elas representam,se a bíblia diz que só Jesus Cristo que é Deus,é o único que é dígno de todas estas coisas.

    Apaz de Jesus,amém.

  6. Estes individuos que se ajoelham diante de imagens no minimo nao sao cristao assumidos e comprometidos com o Evangelho,mas sim com a igreja e suas doutrinas.Ao senhor Lumum, se o senhor conhecer o Antigo e o Novo Testamento ,vera que a diferença entre os dois Testamentos e que agora vivemos na Graça.Isso se deu a partir do momento que caiu o veu no templo,no dia que o SENHOR foi crucificado.Quanto ao citarem que cristaos protestantes usam imagens,icones e outras coisitas a mais em seus templos,usam-na mais como embelezamento de seus templos e nao objeto de crendices.Citaram que existe uma salada de dogmas biblicos,por causa que cada um interpreta a biblia a sua maneira.E dentro da igreja papista/romana nao existe diversidades e diversidades de opinioes no meio do clero?Pelo amore,ne?O problema maior da igreja papista/romana e que seus fieis e clero tem obrigaçao de terem obediencia a seus dogmas e doutrinas e nao obediencia a voz do Espirito Santo.O SANGUE DE JESUS TEM PODER!!

  7. As igrejas da Reforma são totalmente diferentes das Evangélicas (que são fundamentadas no evangelho).
    Como está em Jeremias 10, as imagens não podem fazer mal nem bem.
    Todo joelho se DOBRARÁ diante de JESUS e confessará que Ele é o Senhor.
    Somente diante do Senhor que se deve prostrar. Nenhum ser humano que já viveu, vive ou viverá é digno de receber um prostrar que seja.
    Como já ocorreu na Bíblia quando alguém se prostrava diante de um anjo (a pessoa era repreendida a não fazer tal coisa)
    Como Jesus disse, Eu sou o caminho, a verdade e a vida. NINGUÉM VEM AO PAI SENÃO POR MIM.
    E MAIS, em 1 Timóteo 2, 5 diz que há um só Deus e um só intercessor entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem.
    Que Deus revele o Seu Filho a cada um.

  8. Prezado Rafael,

    você afirma que as igrejas evangélicas são fundamentadas no Evangelho?
    Então, como você explica a enorme divisão dessas igrejas, onde cada qual prega o Evangelho de forma diferente da outra e onde concorrem entre si para arrebanhamento de fiéis, se a Bíblia prega claramente contra as divisões:
    “Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer” (ICor 1,10)?

    Quanto a questão de imagens, adoração e genuflexão (ajoelhar), convido-o a ver as imagens desse link abaixo porque, ao que você demonstra, desconhece totalmente o meio evangélico do qual faz parte, senão jamais faria afirmações desse tipo:
    http://caiafarsa.wordpress.com/imagens-protestante-2/.

    Que Deus te ilumine.

    Márcio

  9. Veja o exemplo do casamento real.
    A Abadia de Westminster, Anglicana, está repleta de imagens de santos. Até Nossa Senhora, quadro, aparece em destaque…..

    Viva João Paulo II

  10. A Igreja Anglicana adora afirmar: Somos católicos, mas sem papa. Ela é uma igreja em cima do muro. Meio Termo. Perguntaram ao Arcebispo da Cantuária se a igreja Anglicana era Católica ou Protestante. Ele olhando para catedral catolica romana de westminster disse: Somos Católicos, mas nem tanto. E olhando em direção à Westminster Chapel disse: Somos protestantes, ams nem tanto…

    A Igreja Luterana se diz Católica também. Igreja Católica Luterana. Em suma muitos luteranos não sabem nem quem foi Lutero.

  11. Bom dia,sou protestante Calvinista.
    E de fato,concordo com o texto acima em diversos pontos.
    A reforma (como o próprio nome diz) queria reformar as praticas erradas do catolicismo romano e não criar uma nova religião. De fato os reformadores criam em diversos pontos que os protestantes atuais não crêem como a virgindade perpétua de Maria,sucessão apostólica e na tradição. Entendam que para o protestante tradicional (que vem da reforma) a tradição é importantíssima,porém fica abaixo das Escrituras. A livre interpretação que Lutero,Calvino e outros defendiam nunca foi tão mal interpretada como hoje em dia. Liberdade na interpretação não é libertinagem. e Hermeneutica sem tradição é igreja de proveta. Na verdade a reforma não quis criar novas igrejas,as novas igrejas são frutos de pessoas que se aproveitaram das idéias da reforma. Na verdade, essas idéias de novas hermeneuticas protestantes vieram mais do iluminismo do que do protestantismo tradicional em sí.O que me entristece é que como disse o texto,se os reformadores voltassem hoje,fariam uma reforma nas igrejas que se dizem reformadas.

    Abraços a todos e Soli Deo Glória.

  12. Os protestantes são Católicos,assim como os Ortodoxos são católicos. Católico é a igreja de Cristo que é universal e atinge a todos os cristãos verdadeiros. Sim sou católico,apostólico mas não romano.

    A igreja anglicana não é “em cima do muro” ela simplismente é uma igreja com ritos romanos,terminologias romanas,mais que compactua com algumas teologias da reforma. Ela é católica,sempre manteve sua sucessão apostólica,porém protestante,pois adere em partes as idéias calvinistas de soterologia e de Lutero nas questões de culto. Isso não é ser ém cima do muro,é exatamente o que os reformadores pretendiam fazer na igreja romana. Manter o correto,tirar o errado.

  13. Prezado Felipe,
    Concordo contigo que muitos Luteranos não sabem quem foi Lutero,e muitos reformados não sabem quem foi Calvino,se conhecessem jamais teriam chegado aonde chegaram. Concorda também que muitos católicos romanos também não conhecem a sua própria doutrina. Muitos nem sequer conhecem sobre os credos ecumenicos,os santos pais da igreja,nem mesmo sobre os concílios romanos. Fruto disso é o movimento carísmatico. O problema está no meu lado protestante e no teu romano também. A ignorancia é fruto da cultura pós moderna,que é totalmente edonista,dinamica(descartavel) e sem valores cristãos.

    Paz e bem

  14. GENTE, SANTA IGNORANCIA BEM SE VE Q SABEM DE NADA MESMO.

  15. PROTESTANTISMO – OS FILHOS DE LUTERO E SUAS DOUTRINAS DE HOMENS

    A frase mais comum que ouvimos de protestantes, especialmente evangélicos é: “Católicos, leiam a Bíblia.”
    Os protestantes utilizam a referida expressão para atacar o catolicismo que, segundo eles, abraça dogmas e confissões de fé antibíblicas.
    Faço a ressalva que os protestantes históricos apresentam-se nos atuais dias bem mais carinhosos e receptivos do que o novo protestantismo brasileiro que se auto denomina “Igreja Evangélica”.
    É prudente que deixemos de lado aqueles que já nasceram em lares protestantes ou mesmo evangélicos e que sem culpa direta atacam o catolicismo a partir das instruções e doutrinamento constantes que receberam.
    O Catecismo nos ensina algo muito importante sobre isso:

    “Os que hoje em dia nascem em comunidades que surgiram de tais rupturas e estão imbuídos da fé em Cristo não podem ser arguidos de pecado de separação, e a Igreja católica os abraça com fraterna reverência e amor… Justificados pela fé recebida no Batismo, estão incorporados em Cristo, e por isso com razão são chamados com o nome de cristãos, e merecidamente reconhecidos pelos filhos da igreja católica como irmãos no Senhor” (UR,3), (CIC nº 818).
    Entretanto, faço a anotação de que é dever de todos a busca ardente pela verdade e assim para aqueles que são aptos mentalmente e integralmente capazes e ainda livres de quaisquer impedimentos, é indispensável que a investigação caminhe no sentido de se conhecer mais profundamente o catolicismo antes de critica-lo, especialmente para aqueles ex católicos que sem nada saberem da religião de seus pais fazem a opção pela adesão às mais variadas seitas que militam contra a Igreja Católica.
    Para os que abandonam a Igreja Católica ou a rejeitam sabendo ser ela a verdadeira e única esposa de Cristo:

    “Os heréticos condenam-se a si mesmos já que por própria opção abandonam a Igreja, um abandono que, sendo consciente, torna-se sua condenação .”
    São Jerônimo Comentários acerca de Titus, 3,10 386 A.D.

    Como todas denominações protestantes se dizem inspiradas por Lutero e com mais ou menos fervor todos parecem protestar contra o catolicismo, mesmo reconhecendo que alguns segmentos desejam estreitar laços ou pelo menos desenvolver respeito pela doutrina católica, proponho que o contexto abaixo sirva de referência e reflexão para aqueles que injustamente lançam calúnias contra a doutrina Católica.
    Proponho um exame de consciência para todos aqueles que falam do que não sabem, especialmente protestantes evangélicos que na sua maioria são ex católicos que nada conhecem do catolicismo.

    “Um homem Cristão é Católico enquanto vive no corpo; decepado deste, torna-se um herege. o Espírito não segue um membro amputado.”
    Santo Agostinho…

    Ao contrário do que pensa todo e qualquer protestante, o “Só a Bíblia” de Lutero é de fato a doutrina antibíblica mais nociva que já existiu, pois dela derivam todos os principais erros doutrinários que assistimos em grande profusão nas seitas protestantes.
    A Bíblia não se autodefine como única fonte de revelação e assim sendo, quando alguém diz “Só a Bíblia”, o está fazendo por si mesmo ou imitando outro protestante que, por sua vez, copiou a doutrina antibíblica de um outro par ou de alguma outra denominação protestante.

    “Enquanto os Protestantes estudam o menu (a Bíblia), os Católicos se deliciam com a refeição.”
    Dr. Scott Hahn…

    Então vem o protestante e diz: “a Bíblia ensina que toda escritura é útil…”

    Senhor protestante, preste atenção.
    Útil é útil.
    Útil não é o mesmo que suficiente.
    Útil é auxílio. Aliás, no caso da Bíblia, um precioso auxílio.
    Indispensável é a Igreja, coluna e sustentáculo da verdade(Timóteo).
    O que isso quer dizer ?
    Sem a Igreja a verdade não se sustenta.

    O protestante faz o contrário.
    O que deveria ser útil para o seu aprendizado vira único e absoluto.
    E a Igreja que inclusive pela própria Bíblia é imprescindível, vira descartável já que é o próprio protestante diz: “…igreja não salva ninguém.”
    E o protestante ainda tem coragem de gritar: “Católicos, leiam a Bíblia.”

    Nem Jesus ou qualquer dos seus apóstolos disse que no futuro todos deveriam praticar o conceito “Só a Bíblia”.
    Pelo contrário.
    São Paulo, por exemplo, nos orientou que guardássemos as tradições de tudo que foi transmitido.
    Portanto, pela Bíblia a tradição necessariamente deve ser assimilada.
    E quando se diz que a tradição deve ser assimilada é obrigatório que alguém a transmita.
    E qual protestante poderá transmiti-la se todos sem exceção a desprezam ?
    E se não transmitem a tradição, como podem absorve-la e assim atender na íntegra a disposição bíblica ?
    E se não transmitem a tradição e portanto, não sendo possível a eles absvorve-la, como poderão ser bons cristãos ?

    E tornando a Bíblia que deveria ser útil como indispensável, ele acaba por cair em contradição.
    Ora, se a Bíblia é suficiente como dizem os protestantes, seria lícito esperarmos que suas resoluções fossem cumpridas na íntegra, entre as quais a observância quanto às tradições das quais nos falou o apóstolo e cujo registro é bíblico, e, também em relação a Igreja que é definida pelo texto bíblico como coluna e sustentáculo da verdade.
    O protestante se contradiz com sua própria armadilha e no conceito que copiou para si e que deseja impor aos demais.

    Os cristãos dos primeiros séculos não dispunham de Bíblia e possivelmente foram melhores e mais provados na fé do que nós.
    Como fazem as crianças ou aqueles que não podem ler ?

    O Altíssimo achou por bem que tivéssemos a Bíblia e incubiu a Igreja Católica Apostólica Romana e não Lutero de produzi-la.
    O que Lutero fez foi modificar uma Bíblia que já existia.
    É sempre assim.
    Se para construir foi necessário o Espírito Santo, para distorcer basta a ação humana.
    Lutero simplesmente modificou a palavra de DEUS e todos protestantes aceitaram.

    DEUS permitiu aos cristãos do primeiro século seguirem Jesus Cristo sem Bíblia e ensinados pela tradição que era transmitida pela Igreja.
    Posteriormente, por vontade e inspiração divinas os cristãos passaram a ter Igreja e Bíblia.

    Veio Lutero que não foi inspirado pelo Espírito Santo e cuja existência e atuação deveriam ser provada pela Bíblia, já que o protestante grita “Só a Bíblia”, e decidiu que poderia retirar livros e promover alterações por conta própria.
    E depois de Lutero que já não convence ninguém, vem o protestante/evangélico nacional e moderno, e, tomando o lugar de DEUS decide que agora todos deverão ter Bíblia e que Igreja não serve mais para nada.
    E este protestante “moderno” é que decide como se deve interpretar a Bíblia, condenando, sobretudo a interpretação católica de 2.000 anos.
    Perfazendo o caminho inverso, os protestantes históricos dizem:

    Reverendo protestante. O. J. Nelson, de Bellingham, Wash. , diz:

    “No sentido exato, ninguém além dos Católicos tem uma Bíblia infalível e ninguém além dos Católicos podem ser chamados de cristãos ortodoxos. . . só há uma Igreja Cristã de realidade e autoridade consistente e é a Igreja Católica”.

    “O tempo está vindo, se, realmente, já não veio, quando estas igrejas definitivamente e decididamente têm que se perguntar se a Bíblia é de Deus ou do homem. E neste campo, o Papa é o único e exclusivo Campeão da Bíblia como a Palavra de Deus”.

    O Reverendo dr. A. S. Crapsey, escrevendo a “Free Religious Association”:

    “A maioria das denominações protestantes estão retornando, voltando para os Católicos. Eles estão perdendo sua liderança intelectual por não manter passo com os estudiosos. O protestantismo seguirá e obedecerá a lei da gravitação, desintegrará,e assim perderá todo o poder “.

    O protestante não só diz que Igreja não salva ninguém como também afirma que basta crer para ser salvo.
    A Bíblia demonstra claramente que haverá um julgamento, mas o protestante sente-se salvo sem julgamento pelo “Sola Fide” de Lutero e mais uma vez tomando o lugar de DEUS decide quem e porque está condenado.
    E depois ainda grita o protestante: “Católicos, leiam a Bíblia.”

    A Igreja é o corpo místico do Senhor Jesus e recusa-la significa não aderir a Cristo como se deve.
    Por isso, ao contrário dos protestantes, especialmente evangélicos que dizem que Igreja não serve para nada, nossos santos dizem:

    ”ONDE ESTIVER O BISPO, ESTEJA O POVO, ASSIM COMO ONDE ESTÁ JESUS CRISTO, ESTÁ A IGREJA CATÓLICA”. (SANTO INÁCIO DE ANTIOQUIA, CARTA AOS ESMIRNENSES, 8, ANO 106 D.C.).

    Ao contrário do mundo protestante, onde o crente faz o favor de “aceitar Jesus”, na doutrina católica é o Senhor que nos convida e que nos acolhe.
    Ele nos amou primeiro. Sempre ele.
    Não temos mérito algum.
    E acaso não sabeis que esse mesmo Senhor é o mesmo ontem, hoje e eternamente ?
    Com é possível que a Igreja que é seu corpo místico se modifique se a cabeça é íntegra e nunca se modifica ?
    O relativismo é vosso.
    Como disse vosso pai Lutero sobre a doutrina do livre exame que ele mesmo criou, cada cabeça é uma “igreja”.

    E seu amigo Melanchton escreveu:

    “Nem toda a água do rio Elba daria lágrimas bastante para chorar a desgraça da Reforma”.

    Mas vem o protestante outra vez dizendo: “…a bíblia manda que examinemos as escrituras e assim eu posso interpreta-las.”

    Se examinar é igual a interpretar então você protestante está me dizendo que a Bíblia é contraditória.
    A Bíblia diz que interpretação alguma é de caráter individual(Pedro).
    Vem você protestante e diz que examinar é o mesmo que interpretar.

    Como é possível que a Bíblia que condena a interpretação individual ao mesmo tempo ensine que é lícita toda e qualquer interpretação individual ?

    Meu caro protestante, examinar não é o mesmo que interpretar. Isso é primário.

    Eu examino meus filhos e vejo se algum deles está quente demais.
    Posso até imaginar que algo não anda bem com um deles.
    Posso até arriscar que um deles está com febre.
    Mas o diagnóstico preciso não sou eu quem dou.
    Não sou médico e assim não ouso dizer que é virose, catapora ou sinusite.

    Quer outro exemplo ?

    Eu percebo um vento esquisito durante a tarde.
    Noto ainda que o céu está cinza ao invés de azul.
    Vejo nuvens carregadas.
    Penso até que vai chover.
    Mas não posso precisar quando, onde, por quanto tempo e a quantidade de chuva que irá cair.
    Isso quem faz é o especialista.
    O serviço de meteorologia.
    E por vezes nem chega a chover.
    As nuvens se desfazem e o sol volta a brilhar.
    Imagina alguém que só sai de casa depois de ouvir a minha opinião sobre o tempo ?

    Seria o mesmo que dizer: “ignorante guiando ignorante”.

    Felizmente, ninguém se vale da minha opinião para saber a previsão do tempo e tampouco minha sábia esposa me consulta sobre as enfermidades de meus filhos. Ela procura o especialista.

    A Bíblia diz que cada um de nós tem uma função dentro do corpo de Cristo.
    Uns são mestres.
    Outros são intérpretes.
    Outros são obreiros.
    E existem aqueles que são sacerdotes.
    Todos como membros de um só corpo.

    Em outras palavras, a Bíblia nos assegura que nem todos são doutores, sacerdotes ou intérpretes.

    O protestantismo para variar faz tudo diferente do que a Bíblia manda.
    Todos são mestres, teólogos, especialistas, sábios, doutores, professores, intérpretes da Bíblia, sacerdotes, reis, possíveis donos de igrejas e críticos.
    Principalmente críticos.
    Críticos eventuais de seus próprios pares, especialmente para justificar a abertura de novas denominações.
    E críticos implacáveis do catolicismo do qual nada conhecem.
    E vem o protestante que não entendeu o texto bíblico e diz: “Católicos leiam a Bíblia.”

    Arvora-se o protestante como defensor da Bíblia e gritando em alto e bom som e apontando o dedo para os católicos pronuncia e repete: “Falta ao povo católico conhecimento bíblico”
    No entanto, é esse mesmo protestante que despreza a Bíblia, se não vejamos:

    .Ignora o Pai Nosso;
    .Ignora a bem aventurança de Maria;
    .Ignora as obras;
    .O anjo do Senhor saúda Maria, mas o protestante acha que pode ofende-la;
    .O anjo diz a Maria que ela achou graça diante do Senhor, mas o protestante diz que ela foi uma mulher como outra qualquer;
    .A Bíblia diz que Maria é bendita entre todas as mulheres, mas o protestante diz que ela é apenas uma pecadora e uma mulher que teve vários filhos;
    .Isabel chama Maria como mãe do meu Senhor, mas o protestante diz que Maria não é mãe de DEUS;
    .João Batista estremece de alegria no ventre de Isabel ao ouvir a vóz de Maria, mas o protestante se enfurece quando ouve alguma saudação a virgem;
    .A Bíblia proíbe a interpretação pessoal, mas o protestante “interpreta” dizendo-se inspirado pelo Espírito Santo;
    .A Bíblia define a Igreja como coluna e sustentáculo da verdade, mas o protestante diz que Igreja não serve para nada;
    .Jesus diz que a verdadeira religião é visitar órfãos e viúvas, mas o protestante diz que religião não serve para nada;
    .A Bíblia diz perseverai até o fim, mas o protestante já se sente salvo e condena os demais antes de qualquer julgamento;
    .A Bíblia diz que nossas obras serão levadas em consideração no dia do julgamento, mas o protestante diz que obras não servem para nada;
    .Jesus diz que são de sua família todos que ouvem e praticam a palavra, mas o povo de Deus é só evangélico ou protestante. Vale o rótulo.
    .A Bíblia diz que todos devem ser um só e eles se dividem em várias denominações;
    .A Bíblia diz que não se deve confiar no homem, mas eles confiam nas “reformas” de Lutero que negou a si próprio quando disse que não se deve confiar em um sacerdote. Ora, Lutero era monge. Confiam nas visões de seus pastores e confiam nas suas próprias profecias e interpretações;
    .A Bíblia nos mostra que João Batista pediu penitência e o protestante diz que penitência não serve para nada;
    .Jesus faz separação entre os pecados quando nos diz que pecado maior cometeu quem lhe entregou a Pilatos. E o protestante para variar diz que não há diferenças entre os pecados.

    “SE VOCÊ ACREDITA NO QUE LHE AGRADA NOS EVANGELHOS E REJEITA O QUE NÃO GOSTA, NÃO É NOS EVANGELHOS QUE VOCÊ CRÊ, MAS EM VOCÊ.(SANTO AGOSTINHO)”

    Na prática, o protestante faz o que a Bíblia condena e o que ela ordena ele rejeita.
    O protestante vive basicamente do anti catolicismo.

    A Bíblia diz que Jesus levou para a Cruz as nossas enfermidades e pecados.
    E por isso tem gente no vosso meio dizendo que cristão não fica doente ou não deveria ficar.
    Mas não continuamos pecando ?
    Por que não haveríamos de ficar doentes ?
    E tem alguém ainda vivo do tempo em que Jesus curou ?
    Provavelmente a maioria morreu de doença.
    E alguém duvida que depois de terem sido curados ou ressulcitados por Jesus eram crentes melhores do que qualquer um de nós ?
    E os pregadores que dizem tais bobagens sobre Cristo são os mesmos que quando estão doentes procuram os médicos.
    Se estão com dor de cabeça tomam analgésicos.
    E muitos usam óculos.
    Deveriam usar Telescópios de última geração para ver se conseguem entender alguma coisa da mensagem de Jesus.
    E grita o o protestante: “Católicos leiam a Bíblia”.

    Santo Agostinho: “Não penses que as heresias são produto de mentes obtusas. É necessário uma mente brilhante para conceber e gerar uma heresia. Quanto maior o brilho da mente, maiores suas aberrações”.

    Lutero não gostou do que viu ou ouviu e resolveu protestar.
    Como não foi atendido resolveu fundar uma nova igreja.
    O protestante não concordou com Lutero na íntegra e fundou uma nova denominação.
    A nova denominação não agradou a todos e então outros fundaram novas denominações.

    A Bíblia não prescreve a fundação de “igrejas” e além disso condena a divisão.
    E todos sem exceção, fazendo tudo diferente do que ensina a Bíblia se dizem seus defensores e intérpretes.
    Dizendo-se seguidores de Jesus, fazem exatamente o que ele não mandou fazer. Seguem denominações fundadas por homens ou fundam as suas próprias.
    E grita o protestante: “Católicos leiam a Bíblia”.
    E tem mais:

    “A fé vem pelo ouvido”
    Mas para o protestante a leitura é melhor do que o ouvir.
    Para variar, o protestante faz diferente do que a Bíblia ensina.
    Seus próprios pregadores dizem que o crente não deve acreditar no que eles pregam, mas confirmar o que foi pregado a partir da sua própria leitura individual.
    Que não se deve dar crédito aos pregadores protestantes isso eu também sei.
    Mas de modo algum a Bíblia manda que a leitura dos textos substitua o ato de ouvir.
    E nesse caso o “ouvir” é ouvir de fato de uma fonte confiável, algo que provamos não ser possível no protestantismo.
    E não é só isso.
    Para quem de fato faz a leitura da Bíblia livre do preconceito protestante não terá dificuldades de entender que não adianta ler a Bíblia se não há alguém que a explique.
    O eunuco da Rainha clamou por uma explicação.
    Mas para o protestante, muito embora o texto bíblico aponte na direção do dueto ouvir/explicar, ele sempre resolve fazer diferente.
    Considera sua leitura suficiente e não precisa de explicação de espécie alguma.
    O protestante considera que o próprio Espírito Santo lhe dá todas as explicações a partir da leitura que faz e assim ele pode interpretar livremente a Bíblia Sagrada e embora a Bíblia diga que a fé vem pelo ouvir ele considera que no seu caso o entendimento pessoal é superior e suficiente.
    Todavia, depois de ter escolhido por conta própria o critério que pretende seguir, o protestante não consegue explicar uma série de coisas.

    Por que cada irmão seu protestante possui um entendimento pessoal diferente se o Espírito Santo é um só ?
    Por que o Espírito Santo parece ter esquecido o eunuco ? Ao contrário de todo e qualquer crente protestante que é auto suficiente, o eunuco implorava por explicação.
    Por que parece ao protestante que o Espírito Santo não presta assistência a Igreja Católica ?
    Por que só a interpretação católica que está errada ?
    Afinal de contas não é o protestante que diz que a Bíblia não fala em Igreja Católica.
    Onde está o texto bíblico que diz claramente que o Espírito Santo assistiria a todo e qualquer protestante e ao mesmo tempo só negaria assistência ao eunuco e a Igreja Católica ?
    E onde está o texto bíblico que garante a qualquer protestante a assistência infalível do Espírito Santo em suas interpretações particulares ?
    E onde está o texto bíblico que garante aos protestantes divergirem entre si em matéria de fé e doutrina e ao permanecerem todos certos ao mesmo tempo ?

    João
    “Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isto se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos.”
    Pedro
    “Ora, assim como entre o povo houve falsos profetas, do mesmo modo haverá entre vós falsos doutores, que introduzirão seitas de perdição e renegarão aquele Senhor que os resgatou, atraindo sobre si mesmos uma pronta ruína. Muitos seguirão as suas dissoluções, por causa dos quais será blasfemado o caminho da verdade, e, por avareza, com palavras fingidas, farão negócio de vós, mas a sua condenação já desde há muito não repousa e a sua perdição não dorme”. (II Ped. 2, 1-3).”

    Autor: V.De Carvalho – Livre divulgação mencionando-se o autor

    • Sou evangélico, e acho muito interessante e inteligente este texto, verificando-o de uma ótica católica, contudo atrevo-me a criticá-lo sob uma ótica protestante, critica esta não demeritória, mas construtiva.
      Creio veemente que os protestantes hoje fogem 100% do que foi proposto pelos reformadores, analiso também que Lutero nunca teve a intensão de “Criar outra Igreja” mas que a Igreja “Universal” ou Católica voltasse para os caminhos da bíblia, que através dos atos dos “santos” é a unica e verdadeira guardiã das tradições, por que se homens guardarem as tradições ao tentar repassá-las, haverá a interação humana, é como muitas pessoas contarem a mesma história cada qual acrescenta sua própria versão, nesse proposito é como você diz ” Se para construir foi necessário o Espírito Santo, para distorcer basta a ação humana.” ou seja as tradições católicas foram distorcidas pela ação humana através dos seculos, creio que nos últimos dias assim como diz a Bíblia o Senhor irá purificar sua Igreja, para que seja sem macula nem ruga, quando digo Igreja não me refiro a qualquer dissidência, pois assim como os evangélicos são dissidentes católicos, os católicos são dissidentes da igreja primitiva genuína, creio que a reforma é um chamado de atenção de Deus para as praticas das Igreja de Cristo hoje. Agora quanto a visão sobre as doutrinas protestantes, (não inclui o neo-pentecostalismo do Diabo e seu lideres, que se disfarçam de Evangélicos e são lobos na pele de cordeiro). estão equivocadas, sugiro que visite o link: http://monergismo.com/ e faça mais estudos para falar de algo que realmente conheça, e parabéns pela dissertação.

    • Texto muito esclarecedor com argumentos lógicos e perfeitamente compreensíveis.
      Nossos irmãos separados usam meios de sedução de várias naturezas para a conquista de adeptos, principalmente entre os indecisos e afastados da Igreja de Cristo.
      Argumentam que Jesus não fundou qualquer igreja e que o Imperador
      Constantino criou o Catolicismo por volta de 313…
      A Igreja somos nós, o corpo místico de Jesus Cristo,tendo os apóstolos divulgado a sã doutrina e pregado , pelos caminhos.
      Isso é evangelização verdadeira.
      Roma era a capital do mundo na época. Ora, a melhor divulgação era a partir dali. Não existiam, claro , os meios de comunicação de que dispomos.
      Tudo nasceu dos ensinamentos de Cristo, diretamente da fonte.
      E Deus seja louvado por isso.

  16. Quem despreza a Bíblia e se fundamenta em afirmações de homens pecadores que destituídos estão da glória de DEUS não oferece discussão. È isso em que se transforma uma igreja criada por homens e de acordo com seus interesses, que glorificam práticas pagãs e não bíblicas e, que, revirando o passado, queimava quem ousasse seguir a palavra de Deus. Garanto que muito católico gostaria que a Inquisição voltasse para “assar” os servos de Deus. Mas hoje Satanás trabalha de forma diferente, sua arma é a apostasia. A única revelação que o Sebhor nos legou foi e é a Bíblia. Que o Senhor tenha piedade de todos!
    Maranata!

    • Só um pode julgar. A História Sagrada e a Tradição do Conhecimento também contam.
      Quem conhecia as línguas antigas,Aramaico(língua de Jesus), Hebraico, Grego e Latim eram os monges, padres católicos,e, que portanto podiam traduzir os ensinamentos de Cristo e de toda Sua época. Daí , depois chegarem as passagens bíblicas a todos os povos.
      A Igreja cristã mais antiga é a Católica.
      Os homens podem errar, mas nossa orientação doutrinária vem da Fonte.
      Quanto à Inquisição e a questão das indulgências, os historiadores que se aprofundaram mesmo nos temas, como cientistas que são,não atribuem essa culpa real à Igreja,e, sim ,aos legisladores da época..
      Também se sabe que muitos protestantes enviaram pessoas à fogueira. Errar é humano. Permanecer no erro é diabólico.
      Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

  17. Os vossos comentários são a prova viva de que Roma é “semper eden” e que jamais poderá chegar ao entendimento do puro evangelho de Cristo.

  18. Sou evangélico, e acho muito interessante e inteligente este texto, verificando-o de uma ótica católica, contudo atrevo-me a criticá-lo sob uma ótica protestante, critica esta não demeritória, mas construtiva.
    Creio veemente que os protestantes hoje fogem 100% do que foi proposto pelos reformadores, analiso também que Lutero nunca teve a intensão de “Criar outra Igreja” mas que a Igreja “Universal” ou Católica voltasse para os caminhos da bíblia, que através dos atos dos “santos” é a unica e verdadeira guardiã das tradições, por que se homens guardarem as tradições ao tentar repassá-las, haverá a interação humana, é como muitas pessoas contarem a mesma história cada qual acrescenta sua própria versão, nesse proposito é como você diz ” Se para construir foi necessário o Espírito Santo, para distorcer basta a ação humana.” ou seja as tradições católicas foram distorcidas pela ação humana através dos seculos, creio que nos últimos dias assim como diz a Bíblia o Senhor irá purificar sua Igreja, para que seja sem macula nem ruga, quando digo Igreja não me refiro a qualquer dissidência, pois assim como os evangélicos são dissidentes católicos, os católicos são dissidentes da igreja primitiva genuína, creio que a reforma é um chamado de atenção de Deus para as praticas das Igreja de Cristo hoje. Agora quanto a visão sobre as doutrinas protestantes, (não inclui o neo-pentecostalismo do Diabo e seu lideres, que se disfarçam de Evangélicos e são lobos na pele de cordeiro). estão equivocadas, sugiro que visite o link: http://monergismo.com/ e faça mais estudos para falar de algo que realmente conheça, e parabéns pela dissertação.

  19. A verdade é única,não pode ser dividida, com diferentes interpretações. Se for dividida, deixa de ser verdade. Concluam..

  20. O protestantismo é um saco de gatos. Contestam a infalibilidade papal, mas cada crente é ume espécie de papa para si mesmo. “Infalível” é cada crente na sua leitura privada da Bíblia. Quem batiza faz críticas a quem não batiza e ambos se dizem certos e inspirados. Quem defende a teologia da prosperidade chama de trouxa que não pratica esta abominável “teologia”. No sentido inverso, quem faz oposição a dita teologia chama de hereges seus defensores. E ambos utilizam a mesma Bíblia para justificarem as suas doutrinas. Da mesma forma, quem prega pelo aborto “prova” sua tese pela Bíblia. Quem bate palmas critica quem não bate palmas. E tanto uma corrente quanto a outra fazem uso da mesma Bíblia para provar uns para os outros que estão certos. Não por acaso se dividem em milhares de seitas. Pois quem pensa estar inspirado pelo Espírito Santo na sua leitura privada da Bíblia não pode aceitar doutrina alheia ou qualquer tipo de instrução e correção. Cada crente é ídolo de si mesmo. Sobre Lutero, para justificar a adesão ao herege, curiosamente o crente tem que sair da Bíblia que jura defender. O protestantismo é contraditório em si mesmo. Para gritar “Só a Bíblia” é preciso sair da Bíblia para justificar Lutero, Calvino e o próprio protestantismo. E também para justificar o “Só a Bíblia” é necessário sair da Bíblia, pois a mesma não ensina tal teologia. Nem Jesus ensinou e nem os apóstolos. E se a Igreja tivesse ensinado, o protestante que a rejeita estaria obrigado a recusar tal ensino. Por isto se diz: “Fora da Igreja Católica não há salvação.”

    • A verdade é única. Não pode e não deve ser dividida. Do contrário, não é verdade. Vide princípio filosófico.

      Se a ´Bíblia Sagrada é uma só, como pode dentro de uma religião , o Protestantismo ou Evangelismo, ter tantas interpretações ,e, portanto ocasionar tantas sub-divisões? Não dá para entender.

  21. DEUS,QUANTA ASNEIRA,MAL SABE ESTE IMBECIL O QUE ESCREVE…DEUS CONDENA CLARA E VEEMENTEMENTE A IDOLARIA DE IMAGENS.BURRO

  22. Todo cristao e’ catolico, no sentido de q o cristianismo e’ a ‘assembleia universal’ e todo cristao e’ sacerdote pois o NT prega o ‘sacerdocio de todos os crentes.’ O q une o cristao biblico e’ a crenca na salvacao pela graca e Deus em Cristo, atraves da fe’ e as obras sao apenas resultado do relacionamento c/ Cristo q glorificam a Deus no Espirito a fim de q outros sejam atraidos ao Deus de amor pelo msm Espirito, q e’ o Representante de Cristo na Terra e nos leva a Ele p/ sermos salvos.A tradicao dos ‘pais da Igreja’ pode ser interessante e ter seu valor historico mas nao e’ fonte inspirada e perpetua erros advindos do paganismo. Pedro pregou c/ poder no Pentecostes mas quem presidiu o Concilio de Jerusalem foi Tiago. Paulo repreendeu a Pedro e Jesus nao poria como ‘chefe’ da igreja, alguem q no msm lugar onde lhe da’ as chaves, lhe chama de Satanas por tentar tirar da cabeca dEle seu destino como Vitima sacrificial! Em outro lugar do NT, Cristo da’ autoridade tbm aos outros apostolos mas ela nao era politica ou de primazia. O romanismo, o anglicanismo e msm o luteranismo q celebram sacrificios ‘incruentos’ de Cristo, O matam de novo e contradizem o livro de Hebreus q e’ taxativo em dizer q Cristo morreu vicariamente 1 so’ vez e isto e’ suficiente e Ele e’ nosso unico Sumo Sacerdote q para sempr intercede p/ nos junto ao Pai! Logo, a igreja verdadeira nao e’ necessariamente visivel e c’ ostentacoes (nem tampouco assassina como o romanismo e protestantes q mataram ou se calaram ante todos os q discordaram deles no passado!) Idolatria nao e’ so’ se prostrar perante 1 imagem ou invocar santos mortos (“Consultara’ 1 povo aos mortos ao inves de seu Deus!?”) e se pode idolatrar ate’ msm a Biblia, nao se absorvendo Cristo, q e’ sua principal mensagem! Placa de igreja nem batismos ou indulgencias salvam ninguem mas o Cristo q gera amor pela salvacao das almas e separara’ lobos de ovelhas no Dia Final e, do msm jeito q nao olhara’ se somos gentios ou judeus, homem ou mulher, nao vai buscar saber se somos catolicos ou protestantes! E como disse Ghandi, q foi recusado ao estudo da Biblia e de Cristo por cristaos reformados na Africa do Sul, ‘nao sou cristao, por causa dos cristaos!’ e o apostolo diz, ‘o Evangelho e’ blasfemado p/ causa de vos mesmos!’

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: